Entrevista

01/12/17

Informação e acolhimento na luta contra o HIV

Gabriel Estrela tem apenas 25 anos, mas seu currículo já é bem extenso. Ele é ator, cantor, diretor, dramaturgo e ainda encontra tempo para tocar um canal no YouTube, o Projeto Boa Sorte. Há dois anos, ele escreveu e estreou seu primeiro espetáculo, o musical Boa Sorte. E não somente isso. Um ano depois, em 2016, Gabriel foi co-autor da série Eu só quero amar, da Rede Globo. Bem diferente do que os estigmas poderiam determinar, o jovem faz parte das 830 mil pessoas vivendo com o vírus HIV no Brasil. Sua rotina, por si só, já prova que a vida com o vírus está longe de ser um fim, muito pelo contrário. "Hoje, dá pra viver bem com o HIV, com qualidade de vida, fazendo tudo que qualquer pessoa faz", revela Gabriel.

17/11/17

Cláudio Mendes: Produção na cena musical cearense

Da mesma forma que, para tirar o melhor som de um instrumento, precisamos buscar sua afinação, o produtor musical é aquele profissional responsável por extrair do artista sua melhor sonoridade. É ele quem vai estar presente dentro dos vários processos que permeiam a concepção de um trabalho musical, desde a pré-produção à masterização do álbum. Cláudio Mendes, que é músico multi-instrumentista, cantor, compositor e produtor musical, conta que este trabalho vai desde auxiliar o artista a encontrar seu melhor tom até a estruturação da música e concepção dos arranjos.

27/10/17

Entrevista – Joelma Marques: filosofia para jovens

Era uma vez um conto de fadas que falava de lições filosóficas... Esse livro existe e é um projeto de Joelma Marques, escritora e professora do Departamento de Filosofia da Universidade Federal do Ceará. A princesa Debutante: Virtude, Amor e Felicidade se passa em Fortaleza conta a história de Débora, que prestes à completar 15 anos, se encontra em sonho com o mundo da magia. Nesse mundo, a jovem participa de um jogo para se tornar uma princesa debutante e é ajudada por Lúcia, sua fada guia, a enfrentar os desafios e se defender de Emily, a bruxa que irá tentar destruir os planos da Débora.

13/10/17

Por uma arte democrática e acessível

"Entender as diferenças não como fragilidades, mas como potencialidades", é com esse pensamento que a bailarina e coreógrafa Andréa Bardawil constrói, há mais de duas décadas, a concepção de uma dança que preza pela diversidade e a autonomia popular. Com formação em dança contemporânea e moderna, esta artista cearense está com o espetáculo Graça na programação da 11ª Bienal Internacional de Dança do Ceará, que acontece entre os dias 19 e 29 de outubro. O evento será realizado simultaneamente em sete cidades cearenses, reunindo 34 companhias nacionais e nove grupos de mais sete países.

29/09/17

Educação Sexual sem tabus

Sem tabus. Renata Mota fala de sexo a partir de uma outra abordagem, a do prazer. Se normalmente quando se fala de Educação Sexual por aí, os assuntos giram acerca dos riscos e da prevenção de DST's, a sexóloga traz na Oficina do Prazer uma proposta diferente. "Eu estou trazendo educação e saúde na perspectiva do prazer porque afinal de contas é o prazer que tem a ver com a questão da saúde sexual." Ela não dispensa o caráter preventivo que envolvem essas relações, contudo faz questão de ressaltar que esse é um dos aspectos a serem abordados. "Gerenciar os riscos é fundamental, é importante pautar. Mas a pauta da DST é um dos itens da educação sexual", explica.

15/09/17

Edivaldo Batista e a princesa negra

Um parto à beiro do rio. Uma princesa nascida pelas mãos da própria Yemanjá. Uma africana que cresceu livre e foi vendida como escrava. Esta é a história da peça Yemonja e a Princesa Negra, que foi concebida pelo pesquisador, ator e diretor de teatro Edivaldo Batista. Com dança, percussão e música ao vivo, o espetáculo está em cartaz nos dias 20 e 27 de setembro, às 20h, no Teatro Universitário da Universidade Federal do Ceará (UFC).

01/09/17

Adoção: Um ato de amor

Em três anos de existência, o projeto Adote um Amor já acumula mais de 400 histórias de afeto e dedicação à causa animal. Por meio de lar temporário, os animais são acolhidos e cuidados até encontrarem um adotante. Sarah Viana, veterinária e uma das fundadoras do projeto, conta que o primeiro resgate aconteceu em 2014: uma cadela e oito filhotes recém-nascidos encontrados em um terreno baldio. Após o resgate, todos os cuidados veterinários foram tomados para garantir a saúde dos animais. E foi a partir da divulgação nas redes sociais e da ajuda de amigos que o projeto foi tomando forma, sempre na perspectiva de ter na adoção um ato de amor.

18/08/17

Clube de leitura: uma experiência literária compartilhada

Leia Mulheres, Literatura Nordestina, Clube dos Quadrinhos, Literatura Feminista e Lendo Clássicos. Estes são os cinco clubes de leitura coordenados por Alessandra JJ, uma fortalezense apaixonada por livros que há quase quatro anos organiza, mensalmente, encontros gratuitos onde são discutidas importantes obras literárias da história.

11/08/17

A influência da mídia sobre os padrões de beleza

Associados à saúde, bem estar e uma estética a ser seguida, os padrões de beleza reforçados pela mídia se utilizam de corpos esbeltos para explorar um tipo de beleza que se comparado à média da população, representa um abismo. A perpetuação desses padrões de beleza, além de falhar com a representatividade de uma população diversa, se pensarmos o caso do Brasil, reforça também um caráter preconceituoso. O recente caso envolvendo a jornalista Maju Coutinho, vítima de preconceito racial, atesta a gravidade desse fato. Em contrapartida à isso, os movimentos que surgem em contrariedade à esses padrões ainda são tímidos.

28/07/17

Oré Anacã e as existências dançantes do Brasil

Em 2011 surgiu o Oré Anacã, um projeto de extensão da Universidade Federal do Ceará (UFC) com o propósito de preservar e divulgar a prática de danças populares do Brasil. Através de uma longa jornada de esforço e pesquisa, este coletivo cresceu e se tornou
nacionalmente conhecido pela diversidade e qualidade de suas coreografias. Para entender um pouco sobre este grupo, a Rádio Universitária FM conversou com Marcos Campos, professor do curso de Educação Física da UFC e coordenador do Oré Anacã.