16/11/17

Programa Opinião questiona o elitismo da arte

O mural "Eva", do Acidum Project, é um exemplo da arte não elitizada (Foto: Reprodução/Street Art Brasil)

Os questionamentos sobre o elitismo da arte são quase tão antigos quanto as próprias formas de arte, como a pintura e a escultura. Foi para debater esse tema que, em 13 de agosto de 1983, o programa Opinião, com produção de Fátima Leite e locução de Ricardo Guilherme, recebeu Magno Zeó, artista plástico mineiro radicado em Fortaleza há um ano na época da entrevista.

Zeó inicia sua participação no programa concordando com a ideia de que as artes plásticas são elitistas e colocando grande parte da responsabilidade em um grupo talvez inesperado: a própria classe artística. Nas palavras do artista, “não adianta a gente ficar fazendo quadro de cavalete e vendendo para pessoas que têm dinheiro pra comprar. Quem vai ver aquela pintura? Quem vai ver tudo aquilo que eu quis passar? Apenas aquela pessoa que vai ter dinheiro.”

A realidade descrita por Zeó tem raízes profundas no campo das artes plásticas. Grandes artistas do passado, como Leonardo da Vinci, realizavam muitas de suas mais renomadas obras sob contrato para pessoas privadas, que queriam algo para adornar suas salas de jantar. Hoje, mesmo com a transferência de muitas dessas obras para museus, o isolamento delas do grande público ainda permanece.

Com o intuito de combater esse paradigma, e trazer as artes plásticas para um público maior, Magno Zeó planejava fazer murais públicos na cidade de Fortaleza, em lugares que concentram muitas pessoas, como a Praça do Ferreira e a Praça da Estação. "Lá existem muros e paredes totalmente sujas, depredadas, que não dizem nada. Se eu colocar ali uma pintura que vá retratar a vida do brasileiro, a realidade do brasileiro, vai modificar aquele lugar. E o brasileiro, se vendo retratado, vai valorizar a arte. É exatamente a minha proposta, para que o povo brasileiro valorize a nossa arte dentro do Brasil.", afirma o artista.

As propostas de Zeó sobre os murais em Fortaleza, mesmo sem ter tido muito sucesso nos anos 1980, hoje estão tendo maior aceitação. Grupos como o coletivo de arte urbana Acidum Project estão realizando obras extensas nas paredes da cidade, como o mural “Eva”, na Av. Domingos Olímpio, e o “Iracemas”, na fachada do Mercado Central. Os murais do Acidum retratam vidas comuns em espaços comuns, propagando uma ideia de arte que não precisa ter um preço para ter valor.

O programa Opinião com o tema Elitização nas Artes Plásticas foi veiculado no dia 13 de agosto de 1983, com apresentação de Ricardo Guilherme, produção de Fátima Leite e operação de áudio de Paulo Frazão.

Últimas postagens

O programa Centro de Debates de 11 de setembro de 1988 trouxe como tema a Ecologia (Foto: Reprodução/Internet)
Centro de Debates: Ecologia, um meio ou um fim?
O programa Caminhos da Cultura apresentou reflexões sobre Deus e amor, com o seu natural decorrente, o sexo (Foto: Reprodução/Internet)
Caminhos da Cultura: Deus, amor e sexo
O Theatro José de Alencar, situado no Centro de Fortaleza, é um patrimônio histórico tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) (Foto: Reprodução/Internet)
Coisas Nossas: Turismo e patrimônio histórico de Fortaleza
Nanci Alves e Ênio Reis apresentando o programa Carretel de Invenções (Foto: Reprodução/Internet)
Carretel de Invenções: A cidadania nas ondas do rádio
(Foto: Joyce Gilos Torrefranca/Facebook)
Meninos de rua e educação no Ciência, Desafio da Terra
Tags:, , , , ,

Deixe uma resposta

*