20/09/17

A história do índio cearense no Coisas Nossas

A história cearense está marcada pela triste realidade de extermínio indígena (Foto: Reprodução/Internet)

Em 31 de janeiro de 1983, o programa Coisas Nossas tratou da questão indígena no território cearense. A professora e escritora Fátima Mendes foi a convidada do locutor Benito Melo para debater a transformação do índio na história do Ceará. Esta rica conversa que tratou de temas como antropofagia, romantismo, culinária e demarcação de terras, ainda se mostra bastante atual e é o tema da seção Memória desta semana.

Fátima explica como o contato inicial da cultura indígena com os homens brancos influenciou o panorama social da época. "Os livros históricos atestam que o estado cearense foi onde houve o maior extermino de índios", aponta a escritora. Cometidos pelo colonizador europeu, estes assassinatos em massa transformaram a relação entre os nativos cearenses e as novas sociedades que iam surgindo.

O constante assassinato de seu povo e expropriação de suas terras fez com que um grande número de nativos perdessem parte de sua identidade social. Apesar de dar nome à ruas, riachos e cidades, a herança indígena no Ceará foi menosprezada e esquecida em muitos aspectos. Segundo a escritora, este processo de negação étnica faz com que descendentes diretos de índios não se reconheçam como tal e, inclusive, tenham vergonha de seus traços.

A convidada também traz o argumento de que a demarcação de territórios indígenas é essencial para a sociedade. "Sem terra, o índio não sobrevive. Ele passa a se desestruturar, perde a cultura e os valores", afirma. O respeito ao solo é uma base fundamental da crença indígena que acredita em uma relação de troca saudável e próspera entre humanos e os elementos da natureza.

Com o passar dos séculos, os nativos cearenses viram suas comunidades serem transformadas à força em pastos e plantações de monocultura. Esta guerra extermina histórias, culturas e existências. Em resposta, a identidade indígena é atravessada por um escudo de força e resistência que defende os ataques do homem branco e busca igualdade étnica. A sociedade em geral tem uma dívida a pagar aos nativos cearenses e não será nenhum 19 de abril que resolverá a questão.

O programa Coisas Nossas com o tema O Que Há De Índio em Nós foi veiculado no dia 31 de janeiro de 1983, com produção e apresentação de Benito Melo e operação de áudio de A. C. Gomes.

Últimas postagens

O artista plástico Franzé Chaves, o Barrinha, participou de curso de serigrafia da Oficina de Gravados em Havana (Cuba) (Foto: Escola Vila/ Arquivo)
Franzé Chaves (Barrinha) no Artes e Artistas da Terra
Em dois volumes, o Atlas é um mapeamento da língua falada no Ceará, com informações capazes de auxiliar estudos de linguistas, lexicógrafos, gramáticos, historiadores, sociólogos e pedagogos (Foto: Bandeira do Ceará/Reproduçã)
Ciência, Desafio da Terra destaca Atlas Linguístico do Ceará
Antes de ser ator, Nuno Leal Maia, hoje com 72 anos, foi jogador e treinador de futebol (Foto: Reprodução/RevistaTrip)
Nuno Leal Maia no Caminhos da Cultura
O apresentador Ricardo Guilherme conversou com os médicos Luiz Teixeira e João Francisco sobre Homeopatia no programa Centro de Debates de 1982 (Foto: Reprodução/Internet)
Homeopatia é destaque no Centro de Debates de 1982
Nanci Alves e Ênio Reis apresentando Carretel de Invenções, versão televisiva inspirada no programa de rádio (Foto: Reprodução/Internet)
Adivinhações e contos infantis no Carretel de Invenções
Tags:, , , ,

Deixe uma resposta

*