01/11/17

Preservação histórica de Fortaleza no Centro de Debates

Atualmente o edifício São Pedro está no centro das discussões sobre preservação histórica de Fortaleza. Enquanto uns visam o tombamento, outros buscam sua demolição (Foto: Daniel Aragão)

Conhecer a história de um lugar é buscar entender qual o percurso trilhado pelo seu povo. Fortaleza é uma das cidades mais antigas do Brasil. Seus edifícios fazem parte da memória da população cearense. Pensando nisso, nos dias 17 e 18 de março de 1985, o programa Centro de Debates, com produção de Fátima Leite e locução de Ricardo Guilherme, abordou o tema: Fortaleza e Sua Preservação Histórica.

A fim de discutir o assunto, foram convidados Liberal de Castro, professor do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFC (Universidade Federal do Ceará), Osmiro Barreto, diretor do Museu Histórico e Antropológico do Estado do Ceará e o vereador Samuel Braga. O programa foi dividido em três blocos e tratou sobre temas que, até hoje, se mostram atuais.

O debate começa com uma reflexão sobre as datas comemorativas da capital cearense. Ao mesmo tempo em que se celebra dias como 13 de abril (fundação da vila de Fortaleza), é possível perceber uma desatenção institucional em relação ao patrimônio histórico da cidade.

Para Osmiro Barreto, um dos motivos para esse descuido patrimonial está ligado à educação escolar. "Nosso programa de história, principalmente do Brasil, está totalmente errado", afirma. Para o diretor, os alunos brasileiros deveriam aprender a história de seus municípios antes de estudarem regiões consideradas "berços da civilização", como Grécia, Roma e Egito.

No segundo bloco do programa, Liberal de Castro traz a questão da propriedade privada para o debate. "A preservação da edificação entra em um problema seríssimo que é o valor da propriedade imobiliária", comenta. Segundo o professor, as políticas de proteção à história material de Fortaleza enfrentam os desafios de lidarem com interesses individuais que prezam pelo lucro em detrimento da memória. Além do Ceará, Estados como Recife e Bahia teriam sido "chacinados" em prol da especulação imobiliária.

Já nos momentos finais do debate, a discussão gira em torno da participação popular nas políticas de preservação municipal. O locutor Ricardo Guilherme comenta sobre uma "falta de consciência do povo para o sentido de história de sua cidade". Em resposta, o professor Liberal de Castro relaciona essa desmobilização à falta de educação de qualidade disponível ao povo, que se preocupa muito mais com a fome do que com a demolição de um prédio histórico.

O programa Centro de Debates com o tema Fortaleza e Sua Preservação Histórica foi veiculado nos dias 17 e 18 de março de 1985, com apresentação de Ricardo Guilherme, produção de Fátima Leite; e operação de áudio de Paulo Frazão

Últimas postagens

Em 2018, Cátia de França vai lançar um novo álbum, intitulado Hóspede da Natureza. Na foto, a artista se apresenta ao lado de Juliano Holanda, em 2017, em Olinda (PE) (Foto: Heder Novaes)
Ebulição sonora de Cátia de França no programa Entrevista
Participantes da 19ª Parada do Orgulho LGBT na Avenida Paulista, em São Paulo (Foto: Leo Pinheiro/Fotos Públicas)
Rádio Debate discute a homofobia e o racismo no Brasil
O jornalista Tárik de Souza é um dos grandes nomes da crítica musical brasileira (Foto: Reprodução/Internet)
Música e poesia no Café com Letra
Além da Universidade Federal do Ceará (UFC), o professor Martins Filho fundou a Universidade Estadual do Ceará (UECE) e a Universidade Regional do Cariri (URCA) (Foto: Reprodução/Internet)
Martins Filho: Uma trajetória de vida dedicada à educação
O mural "Eva", do Acidum Project, é um exemplo da arte não elitizada (Foto: Reprodução/Street Art Brasil)
Programa Opinião questiona o elitismo da arte
Tags:, , , ,

Deixe uma resposta

*