" />

19/07/18

Cineclubes em Fortaleza

O Cine Ser Ver Luz já realizou mais de 20 sessões em ruas e praças do bairro Serviluz (Foto: Alana Oliveira e Sabrina Araújo)

Em época de férias, há sempre quem goste de pegar um balde de pipoca e curtir um bom filme, seja nas salas de cinema, ou no conforto de casa. Mas existem outros lugares para se consumir cinema em Fortaleza: os cineclubes.

São espaços para exibições de filmes que acontecem de forma regular. Os cineclubes são organizados por um grupo específico e acompanhados de um debate sobre a obra vista.

Camila Vieira é jornalista graduada pela UFC, crítica de Cinema, que ministra a oficina “Como criar e manter um cineclube” na Vila das Artes. Ela fala sobre a cena de cineclubes em Fortaleza.

"Acho que a experiência cineclubista em Fortaleza acaba se tornando muito plural, ela não só tá dentro de espaços institucionais, mas também ocupa outros espaços da cidade. Isso é muito importante se a gente pensar o cineclube não só como espaço de formação, mas também como uma ação política".

Um exemplo de cineclube é o Cine Refluxus, organizado pelos estudantes do Curso de Cinema e Audiovisual da UFC, com coordenação do professor Marcelo Dídimo.

O Cine Refluxus foi fundado em conjunto com o curso de cinema da UFC, dez anos atrás. As exibições aconteciam na Casa Amarela, e quando o curso se mudou para o ICA, no Campus do Pici, elas passaram a ser realizadas no auditório da Pró-Reitoria de Graduação.

O professor Marcelo Dídimo ressalta a necessidade de se ter um cineclube no espaço universitário.

"A importância, acho que ela é fundamental em diferentes níveis. Como é um cineclube que foi criado pelos alunos e é, prioritariamente, direcionado para os alunos, ele é importante para os alunos de Cinema e Audiovisual enriquecerem seu repertório, sua bagagem cultural em relação a cinema. Ou seja, conhecer filmes que não estão em circuito comercial, que a gente jamais iria ver em qualquer sala de cinema do estado".

Os filmes exibidos pelo Cine Refluxus seguem um tema estabelecido pela comissão organizadora. As exibições acontecem às quintas-feiras às 14h.

Além de filmes produzidos no mundo todo, o Cine Refluxus também apresenta produções do Curso de Cinema e Audiovisual da UFC (Foto: Arquivo Pessoal)

Além de filmes do mundo todo, o Cine Refluxus também apresenta produções do Curso de Cinema e Audiovisual da UFC (Foto: Arquivo Pessoal)

Outro cineclube da cidade que também tem relação com a UFC é o Ser Ver Luz, localizado no bairro Serviluz. Ele fomenta a produção audiovisual local e promove a ocupação de espaços públicos. O cineclube foi criado a partir de uma parceria entre a Universidade, o Coletivo Audiovisual do Titanzinho e a Associação de Moradores do Titanzinho.

A sessões do Cine Ser Ver Luz tem duração de 90 minutos e priorizam curtas-metragens.

A professora do Programa de Pós-graduação em Artes da UFC, Deisimer Gorczevski, fala sobre como funciona o processo de escolha dos filmes exibidos.

"A gente tem o tema Marintimidade, porque eu tô falando muito dessa relação com o mar, e teve uma sessão com esse nome, Marintimidade. Aí a gente vai e olha, analisa os filmes do bairro. A gente tem essa lista de colaboradores, que a gente encaminha a temática da sessão e dá um tempo para receber sugestões de filmes. Aí esses filmes se abrem, pra Fortaleza, Ceará. A gente quer outras cidades do Nordeste, depois a gente gosta de ter filmes de outros sotaques, como nós chamamos. Então a gente busca filmes do Sul, Sudeste, do Norte, a gente trabalha com essa perspectiva".

Em um primeiro momento, o Cineclube Ser Ver Luz atraiu a curiosidade das crianças, mas a programação variada caiu também no gosto dos mais velhos, atraindo todas as idades. Na produção audiovisual do bairro, é comum o resgate da história do Serviluz, principalmente as temáticas envolvendo o mar e o surfe.

A professora Deisimer fala sobre a importância do Cineclube Ser Ver Luz para ocupação dos espaços públicos.

"As sessões mostram um pouco essa plateia, é uma plateia muito envolvida, muito implicada, eles brincam, eles riem. Cinema com a rua tem uma outra dinâmica, você tem uma outra possibilidade de se relacionar entre as pessoas e as pessoas com a rua, com o movimento que a rua se coloca. Vai depender sempre da rua escolhida, ou da praça escolhida. Mas o que eu posso te dizer é que a gente tá muito feliz porque nesses anos a gente percebe que a rua passa a ter esse espaço que a gente tanto deseja. Que ela possa ser ocupada e a gente possa ter um encontro, encontrar as pessoas que a gente gosta e estar juntos. Esse é o tema principal do nosso cinema".

Qualquer um pode iniciar seu próprio Cineclube desde que tenha atenção a alguns detalhes, como explica a Jornalista Camila Vieira.

"O que é recomendado para se começar um cineclube é ter um certo tipo de conhecimento de filmes e você ter essa ideia do recorte que você quer. A partir daí, você procura um espaço. O ideal seria que o espaço já estivesse todo equipado, com projetor, equipamento de som, algum instrumento pra você rodar o filme, como um computador, um DVD. Não tendo isso, se for ao ar livre, de repente você pode estabelecer parcerias com seus amigos, procurar amigos que tenham equipamentos".

Existem ainda, na UFC, outros cineclubes, como o Cineclube da Biblioteca Central do Campus do Pici e o Cine Freud, que são abertos ao público e possuem entrada gratuita.

Cine Refluxus Site Fanpage

Cine Ser Ver Luz Site Fanpage

Cineclube da Biblioteca Central do Campus do Pici Site

Cine Freud Fanpage

Reportagem de Fabrício Girão com orientação de Natália Maia

Tags:, , , ,

Deixe uma resposta

*